Esquerda-direita… direita-esquerda

Foto: Andrew Esiebo, no perfil A Sud del Mondo.

Foto: Andrew Esiebo, no perfil A Sud del Mondo.

A preferência é pessoal, mas o destino coletivo. A ação é individual, mas as consequências envolvem a sociedade. A decisão varia de acordo com cada cidadão, mas a regra é para todos. Encontrar o ponto comum é um exercício complexo, demanda justiça, requer bom senso e, ainda assim, depende de fatores tais como o momento em que estamos vivendo, o lugar onde as coisas acontecem, os nossos hábitos culturais e também a maneira como fomos educados para pensar e agir.

Nesse cenário, torna-se um desafio falar sobre política, opção religiosa, questões relacionadas ao gênero e à sexualidade, preferência artística (em especial no que se refere à música, literatura e cinema), sem contar os temas mais sensíveis como aborto, legalização das drogas, discriminação social e étnica.

Cada pessoa tem uma opinião, enxerga o assunto a partir de uma perspectiva específica e, via de regra, advoga em causa própria. Se antigamente dizia-se que “de médico e de louco, todo mundo tem um pouco”, atualmente podemos estender a máxima para outras categorias, incluindo: dono da verdade, conhecedor da causa, defensor da lei, profeta, crítico da sociedade e, por que não dizer, blogueiro.

Todos nós temos um pouco disso tudo. Alguns mais para a margem esquerda, enquanto outros navegam à margem direita e uns tentam, ilusoriamente, seguir o rio pela correnteza, seja lá de onde derive. Cada indivíduo tem uma posição, defende suas crenças e procura sensibilizar seu entorno para “despertar a consciência alheia”. A dinâmica de funcionamento é semelhante, mas, claro, de acordo com a sua moral pessoal!

Pelo que fazem constar nas redes sociais, os da margem esquerda sabem muito bem o projeto de sociedade que querem ver implantado. Os da margem direita também e o mesmo acontece com aqueles que optam por ficar em cima do muro, aproveitando, oportunamente, um cadinho de lá e de cá. Em todos os casos, há tanto saber quanto ignorância, tanto lógica quanto irracionalidade, tanto amor quanto ódio, tanto verdade quanto relatividade. Todos acertam e todos erram.

Fácil mesmo é avançarmos o sinal da individualidade, sugerindo que, por vivermos em sociedade, temos todos que ser orquestrados por uma única margem regente. E a melhor é aquela defendida por quem está levantando a bandeira, seja ela qual for. Na prática, ficamos de mãos atadas aos pés, perdendo a direção e o sentido da coletividade, sem a certeza do que seria melhor ou pior, simplesmente porque não existe uma única verdade social e moral que contemple todos os seres vivos desse planeta.

A sensação mais comum é a de nos encontramos num beco sem saída, num labirinto hermeticamente fechado em que, “se correr o bicho pega, se ficar o bicho come”. Por isso, é compreensível a ideia de que somente o apocalipse é capaz de transformar o mundo. Por outro lado, a certeza de que a mudança externa deve começar dentro de nós torna esta hipótese muito incipiente. O apocalipse precisa ocorrer na alma humana, independente da margem em que nos encontramos.

No fundo, o que importa agora é tomarmos atitudes individuais. Talvez seja tarde demais para ações coletivas, pois parece que atingimos o ponto em que, realmente, a soma das pequenas mudanças do nosso próprio modo de agir que totalizam grandes transformações.

É urgente que façamos a nossa parte. Trata-se apenas de sermos um rio que segue seu curso natural. O fato de as águas estarem distribuídas à esquerda ou à direita, não vai interferir no processo. Afinal, não irão todas desaguar no mesmo oceano?

Esse post foi publicado em Meditando e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Esquerda-direita… direita-esquerda

  1. marco aurélio de oliveira disse:

    Esquerda, direita, direita esquerda, , para que lado ir, em quem acreditar, o que é certo pra você, não é muito interessante para mim. Mas tudo é muito simples, nós e que complicamos a trajetória, há pouco li uma noticia que o setor de pesquisa da Universidade de Harvard está condenando o leite de vaca para consumo humano, o burburinho foi grande e a noticia gerou muita polemica, descobriu-se então que Harvard apenas limitou o consumo, então quem conta um conto aumenta um ponto, o humano que lançou a noticia quer que a maioria pense e aja como ele, que não suporta leite de vaca, conheço um sujeito assim, rsrsrsrs, mas está melhorando, penso que emitir opinião ou ajudar, só se alguém solicitar simples assim. O final deverá ser bom, todos tomaremos banho de mar, espero que seja no verão.

Deixe uma resposta para marco aurélio de oliveira Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s