Quando o mundo desmorona

Foto: Gmb Akash

Foto: Gmb Akash

A vida da gente nos prega cada peça! Somos, constantemente, capturados por histórias inusitadas, surpreendentes e impactantes. Nem todas elas positivas. Há momentos em que o enredo é dramático, chegando à beira do caos sem fim.

Em especial, quando passamos um longo período da vida ocupados com a construção de um mundo perfeito, alicerçado em crenças socialmente estipuladas para garantir a boa convivência nesse ambiente imaculado em que nos colocamos ilusoriamente, o confronto com algumas verdades contrárias pode ser extremamente doloroso e devastador.

A crise se instala, o drama vira uma grande melancolia e a vontade de jogar tudo para o alto e sumir domina, quase que por completo, nosso bom senso, instalando o desespero, a angústia e a impotência generalizada. O que acreditávamos ser válido e legítimo passa a ser questionado. A dúvida sobre cada pensamento e cada experiência vivida aguça nossa paranoia. Desconfiamos de tudo: do que foi, do que não foi e, inclusive, do que deixou de ser. O que era claro fica turvo, o que era correto vira errado, numa convulsão de sentimentos e confusão de ideias.

Fica difícil recuperar o fôlego. O ar comprime até mesmo o fio de cabelo e somos subjugados pelo impulso de arrancar todos eles da cabeça, num ato de autoflagelo, como se fossemos arrebatar o sofrimento dentro de nós. O mundo perfeito desmorona sobre os ombros, uma fenda se abre aos nossos pés e aí…

E aí é hora de se segurar, de sacodir a poeira, de se agarrar à luz, por mínima que se mostre aos nossos olhos. Hora propícia para fazer a limpeza dos arquivos e jogar fora tudo que não serve mais. Hora de esvaziar os compartimentos do orgulho, da arrogância do saber, da ilusão sobre a própria imagem. Hora de tirar a máscara (sim, todos nós temos uma e a usamos em muitos momentos da vida!), olhar o mundo real e construir uma nova realidade. Hora do despertar!

Se ainda acreditamos que viemos para esse mundo para sofrer, também é hora de mudar radicalmente essa concepção. O objetivo da vida não é padecer. O sofrimento é apenas um meio, simples assim. É ele que nos leva à crise. A crise nos faz crescer e crescemos para sermos felizes.

É inconcebível que passemos por tantas situações difíceis para terminarmos nossos dias ancorados na tristeza, na culpa, na revolta. Isso, sim, é uma grande injustiça: sermos contemplados com tantas provações e não aproveitarmos as lições de forma positiva. Como diz o ditado, “nadamos, nadamos e morremos na praia”. Não, isso não!

O mínimo que devemos fazer nesse mundo é sermos felizes. Individualmente felizes significa gerar uma onda de positividade sem precedentes, o que poderá transformar, inclusive, a vibração do planeta. Se não conseguirmos colaborar diretamente com a felicidade daqueles que estão ao nosso redor, por uma razão ou outra, podemos sempre fazer a nossa parte, honrando a oportunidade de vida que recebemos a cada despertar (do dia e como consequência de alguma crise) para sermos plenos na alegria.

Quando o mundo desmorona sobre nós, é porque nossas bases não eram sólidas o suficiente para sustentá-lo. E se ele desmoronou é porque ganhamos uma nova chance para reconstruí-lo. Mesmo que tenhamos poucas horas para nos beneficiar do aprendizado encontrado sobre seus escombros, já terá sido válido viver o caos.

Muita amorosidade, muita paz, fé e disposição para ascendermos à luz!

Anúncios
Esse post foi publicado em Meditando e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Quando o mundo desmorona

  1. Guilherme Valle disse:

    Me falta a maestria com as palavras para compor um bom texto, mas expresso a minha solidariedade na dor que a perda de nossas adoráveis ilusões nos causam.
    Te digo que ainda não sei qual seria a saída perfeita, apenas sei que só nos resta seguir em frente na busca de uma paz interior verdadeira, da felicidade que é do nosso direito divino e da serena alegria da verdadeira fé.
    Estou aprendendo a não lamentar as ilusões reduzidas a pó, elas me fizeram caminhar e vencer inúmeros desafios, a ser o Ser que se debate na busca da verdade, na luta para se despedir dos apegos e que ao mesmo tempo se descobre em erros, apesar do persistente e arrogante orgulho do Ego, de se achar melhor que os outros.
    Não sei o que seria se não tivesse tido a ilusão de querer salvar o mundo, de construir um mundo melhor para todos, de sonhar por valores e direitos humanos nestas terras de Deus. Certamente hoje eu seria uma outra pessoa que não consigo deslumbrar!
    Diante dos fracassos e desilusões é claro que tenho momentos em que me sinto um ingênuo sonhador e as vezes até ridículo diante deste mundo contemporâneo das celebridades.
    O importante é que busquei o que acreditava, mas também é uma dura verdade que em muitos momentos me faltou competências e em outras serenidade ou paz interior. Creio que quando o mundo desmorona é porque talvez chegou o momento do trabalho interior
    A jornada é longa e toda vez que achamos que estamos chegando, descobrimos que estamos recomeçando! Ainda bem que podemos levar as lições aprendidas para nos guiar!

  2. sonia silveira disse:

    Que lindo , Andrea!!!! ❤️

    Enviado do meu iPhone

    >

  3. Nélio Sella disse:

    Tudo está certo como está, só nos falta a compreensão plena. Somos ainda muito pequenos diante da verdade, que por vezes nos aparece em rápidos vislumbres e já nos causa muitas conturbações.

  4. marco Aurélio de oliveira disse:

    Realmente todos nós em algum momento de nossas vidas passamos por um período de turbulência que jamais imaginaríamos passar, nossos mandatos tem como objetivo traçado ser feliz a qualquer custo com os seus, pais, esposos (as)filhos(as), irmãos(ãsi, eu estou de olho na minha turma, na minha prole , nos meus próximos o resto não interessa, e creio que esse caminho não é o que as leis da Natureza espera de nós, O Grande Pai, ama seus filhos incondicionalmente e sendo seus filhos Ele espera que no minimo amemos nossos irmãos, incondicionalmente seria difícil, mas não impossível pois filhos do Pai Celestial o Absoluto, temos a partícula divina, portanto somos divinos, e quando tudo desmorona, demoramos a perceber que Deus está nos dando uma nova oportunidade de ser feliz, destruir o velho, o que está carcomido, sem vida desvincular projetos para quem estão envolvidos e não trazem felicidade para ambos os lados. Graças a Deus, temos a oportunidade de recomeçar e construir uma nova estoria, com uma bagagem fenomenal redigida pelos tropeços da vida.

  5. Renato José de Oliveira disse:

    A consciência faz despertar um novo caminho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s