Natal sem razão

Os sábios e despojados pregam a máxima de que é melhor ser feliz do que ter razão. Motivos não faltam. Cada um de nós poderia listar, pelo menos, uma dezena deles. Portanto, reconheçamos: adotando-se tal paradigma, a convivência em grupo pode ser mais tranquila, pacífica e prazerosa, pois dispensa discussões acaloradas.

Ninguém precisa provar nada para ninguém. Nem para si mesmo. A verdade deixa de ser absoluta e passamos a viver a relatividade de tudo. Ganhamos em aceitação, compreensão e tolerância. Nosso talento para ouvir o outro aumenta e a necessidade de contrapor suas ideias diminui. Mesmo sendo divergente do nosso pensamento, a relação permanece inabalada. Afinal, desenvolvemos o potencial para nos colocarmos no lugar daquela pessoa, entendendo seus princípios, sem destacá-los do contexto.

Excelente oportunidade para vermos as coisas numa outra perspectiva, evitando o julgamento. Ótimo para ampliarmos a flexibilidade e exercermos a escuta ativa. Principalmente, assumir essa postura dispensa a obrigação de estarmos certos e de sermos inteligentes o tempo inteiro. Podemos nos abrir para as “razões” alheias e aprender com elas. E, de quebra, nos beneficiamos com alguma solução ou visão diferente, algo que nunca havíamos experimentado antes, por estarmos comprometidos demais com a “originalidade” e a certeza das nossas concepções.

Quanto mais nos acostumamos com as próprias verdades ou com a habilidade de criá-las, menos acolhemos as de outrem. Pior: com frequência, nós as consideramos uma ameaça à nossa integridade. Como ousam pensar ou sugerir algo diferente? Que disparate!

O que seria da borboleta se apenas a lagarta tivesse razão?

O que seria da borboleta se apenas a lagarta tivesse razão?

Nesses casos, a defesa se torna o melhor ataque. Naturalmente, inauguramos o círculo “virtuoso” da réplica-tréplica. Engatilhamos todas as armas disponíveis e partimos para a guerra. E que vença o melhor! Quer dizer, no final, alguém tem que ceder. De preferência, que seja o outro! Pois, quando somos nós, nem sempre suportamos.

Há pessoas que temem perder a razão. Diante da mínima possibilidade de “derrota”, elas convocam o melhor soldado do batalhão para arquitetar a vitória dos seus pressupostos: o ego. Um “serzinho” de apenas três letras, mas com tamanho poder de persuasão sobre nós. Tanta força assim, certamente é porque possui patente de general. Não vamos discutir.

A equação parece simples: a necessidade de controle sobre tudo é inversamente proporcional à nossa capacidade para abrir mão da disputa pela razão. E, observem, desfrutar ou não da razão talvez seja dispensável. O fundamental para essas pessoas é vencerem a batalha para serem felizes. Mas a promessa de felicidade, para elas, raramente se cumpre. O que ocorre é apenas um misto de satisfação intelectual e egoica.

Podemos estar cobertos de sabedoria e certezas, mas isso não significa que precisemos agitar a bandeira da razão por onde passarmos. Há fortes probabilidades de nos tornarmos pessoas de difícil convivência. E por acaso alguém gosta de conviver com donos da verdade? Ou com pessoas prepotentes, que nunca perdem a oportunidade para declarar que você está errado sobre determinada coisa?

Contra os que acreditam possuir a razão, não há argumentos. Se estiverem certos, ótimo. Seria um despropósito insistirmos em outra direção. Porém, se estiverem errados, qualquer tentativa de convencê-los continua descabida. Então, ao invés de consumirmos nosso precioso tempo para descobrir de que lado pende a verdade, recomenda-se aproveitá-lo para nos deliciarmos com a felicidade. Pois esta, sim, merece nossa atenção.

Já dizia o mais sábio de todos os sábios: “Dai, pois, a César o que é de César!” E mesmo com todas as verdades universais que pregava, houve quem contrariasse sua razão. Por isso, que tentemos abandonar nossas razões em nome da felicidade. O universo é grande o suficiente para acolher as mais absurdas certezas.

Enfim, um Natal sem razão para todos vocês! E que 2014 floresça repleto de felicidade!

Esse post foi publicado em Crônicas, contos e poemas, Meditando e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Natal sem razão

  1. Luiz Tannous disse:

    Minha querida amiga….Paz, Luz e muito discernimento para traçar e seguir nossos caminhos.
    Muito obrigado por todo apoio , principalmente ao longo deste ano.Seja muito feliz! Sempre e sempre!Beijo grande meu e da Syl. Feliz Natal e um lindo 2014 com tudo que for de direito!

  2. Severino Vasconcelos disse:

    Dra. Andréa. Boas…
    As boas do Natal, entre elas, a fé, diferente da música “Alagados” que diz: “A arte de viver da fé, só não se sabe fé em que…” Então, esta é uma excelente oportunidade “…para vermos as coisas numa outra perspectiva, evitando o julgamento.” Você disse bem: “Contra os que acreditam possuir a razão, não há argumentos. Se estiverem certos, ótimo. Seria um despropósito insistirmos em outra direção. Porém, se estiverem errados, qualquer tentativa de convencê-los continua descabida.” Seu texto me levou para um Natal muito a frente dos nossos dias, onde a pessoa se esclareceu, mas sem perder a ternura. Feliz Natal!
    Severino

  3. Sonia disse:

    Andrea, um Natal cheio de luz pra você !!!!
    Muito amor bem distribuído, com ou sem razão!!!
    Bjs.
    Sonia

  4. Luciane disse:

    Concordo totalmente com a tua razão, Andréa! É quase insuportável entabular um diálogo com senhores da razão, como os bem conhecidos do sábio de todos os sábios, doutores da lei. Ainda bem que o apedrejamento, pelo menos físico, foi abolido. Sobraram as pedras da razão. Excelente reflexão!

Deixe uma resposta para Luiz Tannous Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s