Festa com as estrelas

Nasci no interior do mundo. Ali onde ninguém chegou para colonizar. Um lugar livre de poluição, que me permitiu criar forças para crescer. E cresci. Em harmonia com os meus irmãos, vendo nossa mãe acolher a todos com o mesmo amor e sabedoria.

Passei anos aprendendo a contornar as barreiras. Em muitos momentos ficava parado diante de algum obstáculo, até que alguém dava um empurrãozinho e abria o caminho. Às vezes, não era necessário forçar a passagem. Naturalmente as coisas se resolviam e eu podia continuar a minha missão.

Em noites escuras, o céu ficava ainda mais convidativo. As estrelas pareciam dançar uma melodia encantadora, mas todos nós sabíamos que ainda não era hora de cair neste mundão. No meu íntimo, eu desejava fazer companhia para elas e aguardava a minha vez.

Com o passar do tempo, fiquei forte e robusto. Estava preparado, finalmente. Era apenas uma questão de minutos para eu conseguir transpor a última curva e acompanhar a correnteza. Que maravilha seria!

Saí do interior, num dia de sol ardente. Cercado por árvores, flores e pássaros. Todos, sedentos, me esperando. A felicidade tomou conta de mim. Naquele momento pude entender a grandeza do meu destino.

Porém estava tão quente nessa manhã, que acabei sucumbindo. Ao recuperar o sentido, evaporava pelos ares. Só parei mesmo quando grudei numa nuvem e ali permaneci, sem muito compreender a ventania nos levando de um lado para outro. Com a velocidade do deslocamento, atingimos a imensidão.

1016368_559413104105226_1512394009_nDe repente ouvi uma explosão. Um raio de luz nos atingiu, rompendo nossa união. E caí, rogando pela sorte de dançar com as estrelas. Mas logo senti a queda amortecida por uma onda.

Ainda perdido no azul infinito, estava quase chorando de solidão quando ouvi uma canção. Procurei por todos os cantos e percebi que não era o canto da sereia. Uma constelação festejava minha chegada.

– Seja bem vindo! – disse a mais bela, ali presente. – Quem é você?

Imediatamente respondi: – Acreditava  ser um pingo d’água, mas pode me chamar de oceano.

Anúncios
Esse post foi publicado em Crônicas, contos e poemas e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Festa com as estrelas

  1. rosana disse:

    um texto mais emocionante que outro…. aplausossss

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s