Peru: presença Inca é sempre forte

O Vale do Urubamba é composto por diversos vilarejos ao longo do Willcamayo (willca = sagrado e mayo = rio). Daí também o nome de Vale Sagrado. Era um local de peregrinação dos Incas, que deixaram sua marca registrada de várias formas. Depois da conquista dos espanhóis, foi ocupado pelos campesinos, que buscaram manter a tradição do plantio em terraços. Hoje, é uma região que hospeda turistas do mundo inteiro, em suas pousadas.

Na agricultura, pudemos ver principalmente as plantações de milho, batata e favas. Alguns terraços ainda são originários do período Inca e é surpreendente constatar que suas construções venceram as barreiras do tempo, as forças adversas da natureza (abalos sísmicos eram frequentes) e os ataques dos conquistadores, queacabaram misturando suas construções com as dos Incas, proporcionando edificações mistas. Em cima, a alvenaria espanhola, que propositalmente descaracterizava as casas e na parte de baixo, firme e forte, a presença Inca.

As construções Incas são integralmente de pedras encaixadas. Existem diferentes estilos (celular, imperial, etc.), mas em todos podemos observar a precisão dos encaixes. O mais incrível é imaginar que eles deslocavam blocos inteiros de pedras para colocar em pé seu empreendimento. Existem pedras enormes, inteiramente preservadas (vejam as fotos).

As vilas estão organizadas de maneira que o ponto central é sempre uma praça que, em geral, chama “praça das armas”, mas deveria chamar shopping aberto do artesanato, pois sempre tem comércio ambulante!

Também compondo os quatro quarteirões da praça, sempre tem estabelecimento público (prefeitura, polícia, escola, igreja, etc).
Seguindo esse mesmo padrão, em Ollantaytambo, visitamos algumas “canchas”. É um conjunto de casas fechadas, por um muro alto, num mesmo terreno. Elas ficam dispostas de maneira que o centro sempre é um espaço coletivo (uma espécie de quintal) para secar roupa, fazer festa ou até mesmo fazer comércio para os turistas curiosos. Algumas “canchas” são especializadas em comida, outras oferecem hospedagem.

Também no Vale Sagrado vimos muitos celeiros de pedra, chamados de “cochas”, que datam do período Inca. Eles eram utilizados para armazenar o excedente da produção agrícola. Essa reserva servia como provisão de emergência no período de guerra, ou de desastres naturais. Ou ainda, para abastecer os viajantes e as festas comunitárias. Bem planejado, não é mesmo!

Anúncios
Esse post foi publicado em Livre e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Peru: presença Inca é sempre forte

  1. Severino de Vasconcerlos Andrade disse:

    Oi! Olha eu aqui outra vez, Dra. Andréa! Vc sabe como estou me sentindo lendo suas notas? Como se tivesse fazendo um curso de pós-graduação, é serio! muita coisa pra mim é novidade, eu estou maravilhado com vc e seu trabalho. Obrigado, de verdade! Bom, mas eu ainda quero comentar algumas cousas: 1. Fava é um feijão grande que matou a minha foime quando eu era um bebê…; 2. Milho: esse nem precisa falar, é universal… 3. As pedras que eu já tive a oportunidade de ver em vídeos de vários âgulos me impressiona muitooooooo!
    Abraços
    SJ

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s